Infografia. Ilustração. Desenho Editorial. Banda Desenhada

Páginas

30 junho 2015

‘Trama’ de João Fazenda


Traço ponto traço. O livro ‘Trama’, do ilustrador português João Fazenda, estreia a nova colecção ‘Fósforo’, dedicada ao ensaio e outras provocações, da editora Abysmo, fundada por João Paulo Cotrim. O livro ilustrado mostra a oficina e o artista a trabalhar, com o seu alinhamento de hesitações, ideias e experiências. A obra contém uma única palavra, desenhada: ‘trama’, isto é, a linha narrativa que une os fragmentos de uma história.

O olhar de João Fazenda, um dos mais produtivos e desafiantes produtores de imagem da actualidade, surge por malhas que tece pelo gesto de desenhador, que combina traço e mancha, forma e espaço. Trama é ainda a velha rede de pontos que permitiam iludir-nos com a impressão das cores. João Fazenda trama os leitores ao fazê-los ver as cores do mundo num livro a preto e branco.

Desde 1999, as ilustrações de João Fazenda têm aparecido no ‘Público’, ‘Visão’, ‘Time Out Lisboa’, ‘The New York Times’, ‘The Guardian’ e ‘El País’ e já foram distinguidas com prémios de excelência pela Society for News Design. O seu livro ‘Tu és a Mulher da minha Vida, ela a Mulher dos meus Sonhos’ (2001 Edições Polvo), com argumento de Pedro Brito, foi eleito Melhor Álbum Português no Amadora BD Festival Internacional de Banda Desenhada e já editado em França e Polónia.


Ver ‘Abysmo’ e ‘João Fazenda’.

28 junho 2015

'Pyongyang - Uma viagem à Coreia do Norte'


Novela gráfica reportagem de Guy Delisle. A editora Devir / Biblioteca de Alice acaba de lançar a versão portuguesa de ‘Pyongyang’ (2013 L’Association), uma novela gráfica reportagem de Guy Delisle. Numa edição de capa dura, com 192 páginas a preto e branco, o autor canadiano de banda desenhada traça uma visão pessoal e informativa da Coreia do Norte, onde os jornalistas não são bem-vindos. As histórias, ilustradas de forma simples mas bastante pormenorizada, apresentam com ironia e bom humor os paradoxos de uma sociedade em negação.

Em ‘Pyongyang - Uma viagem à Coreia do Norte’, Guy Delisle, com a companhia constante e obrigatória de um guia e um tradutor, percorre a capital e arredores com seu olhar de artista, vendo além do que é cuidadosamente seleccionado para ser apresentado aos raros visitantes estrangeiros. Apresenta o seu testemunho único do país, dos habitantes, dos costumes, da situação de expatriado e do regime totalitário de Kim Jong-Il, a única dinastia comunista do mundo.

Guy Delisle, de 49 anos, é autor de ‘Shenzhen’ (2000 L’Association), um relato de viagem com observações sobre a vida na fria e isolada cidade do sul da China, que integra a lista Les Inrockuptibles - 100 BD Indispensábles, ‘Chroniques Birmanes’ (2007 Delcourt), que narra uma estadia em Rangoon acompanhado da mulher que trabalha nos Médecin Sans Frontières, e ‘Chroniques de Jérusalem’ (2011 Delcourt), que relata uma época passada com a família em Israel e que lhe valeu o Fauve d’Or 2012, prémio de melhor álbum no Festival d’Angoulême.



Ver 'Devir - Entrevista Guy Delisle' e 'Guy Deslile'.

26 junho 2015

'National Geographic Portugal - Castelos e Muralhas do Mondego'


Colabora nesta edição especial: Anyforms (ilustrações). O número de Julho da revista 'National Geographic Portugal' é acompanhado da edição especial ‘Castelos e Muralhas do Mondego' que, ao longo de 50 páginas, propõe um regresso ao século XI, período de definição de fronteiras e momento de afirmação do novo reino português. A publicação apresenta uma dezena de infografias em página dupla da agência portuguesa de design de comunicação Anyforms.

A edição especial ‘Castelos e Muralhas do Mondego’ revela um reino em formação, uma fronteira gizada entre duas civilizações, um rio que marca a diferença entre reinos cristãos e árabes, uma linha defensiva de castelos e muralhas que persistem quase um milénio depois e um nobre com talento especial para a diplomacia e para as Belas-Artes.

A revista dirigida por Gonçalo Pereira convida a viver a história inspirando-se no trabalho profundo de requalificação patrimonial, interpretação histórica, iniciativas pedagógicas e animações culturais que a Rede de Castelos e Muralhas do Mondego tem levado a cabo nos últimos três anos. A edição especial da RBA Revistas celebra o papel do nobre D. Sesnando na Linha Defensiva do Mondego.



Ver ‘National Geographic Portugal - Castelos e Muralhas do Mondego’, ‘Anyforms - National Geographic Portugal’ e ‘Rede de Castelos e Muralhas do Mondego’.

22 junho 2015

‘O Árabe do Futuro’ de Riad Sattouf


Ser jovem no Médio Oriente 1978-1984. A novela gráfica autobiográfica ‘O Árabe do Futuro’ (2015 LeYa Teorema), com argumento e desenho do francês de origem líbia Riad Sattouf, conta a infância do autor no Médio-Oriente, de 1978 a 1984, entre a Líbia de Muammar Kadhafi e a Síria de Hafez al-Assad. A obra foi distinguida no Festival d’Angoulême com o prémio Fauve d’Or 2014, para melhor álbum editado em França.

Ao longo de 160 páginas, ‘O Árabe do Futuro’ revela alcance político, humor arrasador e grande sensibilidade. O relato literário pleno em forma de novela gráfica mostra um traço simples e narrativa fluida e descontraída. Um olhar justo e incisivo apoiado por uma linha flexível e expressiva e um código de cor sóbria.

‘O Árabe do Futuro’ é o primeiro volume de uma trilogia cujo primeiro título já atingiu em França os 220 mil exemplares vendidos e direitos de tradução para 16 línguas. O segundo volume acaba de ser lançado em França pela Allary Éditions, com um tiragem de 130 mil exemplares. Riad Sattouf é também autor do álbum de banda desenhada ‘Pascal Brutal - Plus Fort que les Plus Forts’ (2009 L’Association), premiado com o Festival d’Angoulême - Fauve d’Or 2010, colaborador do jornal satírico ‘Charlie Hebdo’ e realizador do filme ‘Les Beaux Gosses - Uns Belos Rapazes’ (2009 Pathé). 


Ver ‘LeYa Teorema’, ‘Riad Sattouf’ e ‘Allary Éditions - L’Arabe du Futur 2’.

14 junho 2015

‘Finalmente o Verão’


‘This One Summer’ written by Mariko Tamaki, illustrated by Jillian Tamaki. Na novela gráfica ‘Finalmente o Verão’ (2015 Planeta Tangerina), as primas canadianas Mariko e Jillian Tamaki, autoras do texto e ilustração, respectivamente, criam um livro vibrante e comovente, de 332 páginas, que conta o fim da infância, a entrada na adolescência e as dores de crescimento que sempre a acompanham.

Um drama familiar numa prosa moderna ilustrada de forma envolvente e sensual com os melhores elementos da novela gráfica, banda desenhada e manga. ‘Finalmente o Verão’ é uma obra de naturalismo sofisticado que já conquistou numerosos distinções, com destaque para o The New York Times - Notable Children’s Books of 2014.

‘Finalmente o Verão’ constitui a estreia de uma novela gráfica na colecção Dois Passos e Um Salto para leitores mais crescidos. A editora portuguesa Planeta Tangerina - fundada por Isabel Minhós Martins, Madalena Matoso, Bernardo Carvalho e Yara Kono - trabalha sobretudo o formato álbum ilustrado, aquele onde texto e imagens trabalham em conjunto para criar um resultado único, impossível de alcançar se ambos os códigos (escrito e visual) não caminhassem em harmonia.


Ver ‘Planeta Tangerina - Finalmente o Verão’, ‘Macmillan First Second - This One Summer’ e ‘Jillian Tamaki - This One Summer’.

12 junho 2015

3x3 Best of Show Crystal Award para Catarina Sobral


International Illustration Annual. A ilustradora portuguesa Catarina Sobral acaba de ser distinguida com os prémios Best of Show e Silver, na categoria Picture Book Show, no 3x3 International Illustration Annual, a par do ilustrador e cartoonista português André Carrilho, que conquistou o prémio Bronze, na categoria Professional Show. A competição é promovida pela ‘3x3’, revista norte-americana de arte e ilustração contemporânea.

Catarina Sobral foi distinguida pelo livro ‘Vazio’ (2014 Pato Lógico), que conta o dia-a-dia do senhor Vazio em busca de algo que o preencha. André Carrilho foi premiado pelo cartoon ‘Ébola’, publicado no ‘Diário de Notícias’. Ilustrações dos autores portugueses serão incluídas no livro e aplicação para iPad ‘3x3 Annual No.12’.

A revista ‘3x3’ é publicada três vezes por ano (edições de Outono/Inverno, Primavera e Verão) e mostra em profundidade a arte e o meio profissional de ilustradores, estuda as suas influências, acompanha o seu trabalho e lembra como eles tiveram a sua primeira grande oportunidade. Os artigos são da autoria de outros ilustradores, sob a direcção de Charles Hively.


Ver ‘3x3 - International Illustration Annual’, ‘3x3 - Winners Annouced’, ‘Pato Lógico - Vazio’, ‘DN - Artes’, ‘Catarina Sobral - Illustrations’ e ‘André Carillho’.

10 junho 2015

‘Signal’ has arrived!


Understanding What Matters in a World of Noise. Na época do Big Data, os media e organizações esforçam-se por implementar novo software para aumentar a quantidade de dados que colectam e tratam. No entanto, é necessário saber diferenciar os sinais do ruído. Acabado de lançar, o livro ‘Signal’ (2015 Analytics Press), do norte-americano Stephen Few, explica porque uma quantidade de dados precisos não é mais que uma colecção de factos se não for útil.

Usando métodos de visualização de dados, Stephen Few fornece instruções directas e práticas para a detecção de sinais nos dados e obter uma compreensão abrangente. Adaptam-se técnicas de controlo estatístico para detectar mudanças nas métricas e padrões que caracterizam os dados, já que as meras variações aleatórias nada significam e só acrescentam ruído.

O autor Stephen Few é o fundador da consultora de infografia e visualização de dados empresariais Perceptual Edge, professor na University of Califórnia e autor dos livros ‘Information Dashboard Design’ (2006 O'Reilly Media), ‘Now You See It’ (2009 Analytics Press) e ‘Show Me the Numbers’ (2012 Analytics Press).


Ver ‘Perceptual Edge - Signal has arrived!’ e ‘Analytics Press’.

08 junho 2015

An evaluation of the impact of visual embellishments in bar charts


Drew Skau, Lane Harrison and Robert Kosara. Com a visualização de dados a entrelaçar-se com a infografia e design gráfico de informação, as pequenas alterações são feitas aos gráficos para o seu embelezamento. Os efeitos sobre os gráficos de barras são estudados na apresentação ‘An evaluation of the impact of visual embellishments in bar charts’, feita na conferência EuroVis 2015.

Os investigadores em visualização de informação Drew Skau (arquitecto de visualização na Visually), Lane Harrison (investigador na Tufts University) e Robert Kosara (professor na UNC Charlotte e colaborador da Tableau Software) concluem no estudo que as variações e enfeites aos gráficos de barra padrão podem distorcer a leitura dos dados.

A maioria dos efeitos tem um impacto adverso na precisão da leitura de valores absolutos e relativos dos gráficos de barras. O estudo ‘An evaluation of the impact of visual embellishments in bar charts’ permite aos infografistas compreender melhor as taxas de erro nas leituras de gráficos de barras com efeitos visuais e estabelecer uma base para elementos de design com baixo nível de percepção gráfica.


Ver ‘An evaluation of the impact of visual embellishments in bar charts’ e ‘EuroVis 2015 - Conference on visualization’.

26 maio 2015

Curso de Jornalismo Visual


Jornalismo de dados, storytelling, visualização e infografia. Porque a visualização da informação é uma necessidade cada vez maior, dada a sua complexidade e as potencialidades dos novos recursos infográficos e multimédia, o Cenjor promove o Curso de Jornalismo Visual, de preparação de formandos para a área do design de comunicação e infografia.

O curso do Cenjor fornece as noções necessárias para desenvolver projectos ligados à Internet (estático ou multimédia). Para trabalhar o rigor dos gráficos de dados, a associação de ideias da iconografia, a estrutura hierárquica de um diagrama ou a ajuda na localização espacial ou temporal dos mapas e cronologias.

O Curso de Jornalismo Visual tem a duração total de 100 horas, incluindo 20 horas para a concretização de um projecto final por cada formando. A primeira edição deste curso decorre entre 01 Junho e 06 de Julho, de segunda a sexta das 09 às 13 horas, no Cenjor, no Altinho - Belém (Lisboa). Entre a equipa de formadores destaque para José Carlos Alves, infografista do ‘Público’. 


Ver ‘Cenjor - Curso de Jornalismo Visual’.

10 maio 2015

Street Graphs


Visualising the housing crisis in London and the UK based on real stats. Os armários urbanos de distribuição de electricidade e telecomunicações de Londres são o suporte da iniciativa ‘Street Graphs’ para representar as estatísticas da crise habitacional na capital do Reino Unido.

O projecto de arte e visualização ‘Street Graphs’ usa as infra-estruturas existentes na cidade como gráficos que são também fotografados e publicado na plataforma Tumblr. O volume dos armários de distribuição são utilizados como colunas de gráficos.

Os autores do projecto ‘Street Graphs’ permanecem anónimos, embora a agência criativa January esteja aparentemente envolvida na iniciativa.



Ver ‘Street Graphs’ e ‘January’.

08 maio 2015

O Processo de Uma Infografia


‘Dinheiro Vivo’. Criar uma infografia de qualidade é um processo complexo, que implica uma longa lista de tarefas e competências. No artigo ‘O Processo de Uma Infografia’, Telmo Fonseca, editor de infografia do suplemento de economia ‘Dinheiro Vivo’, revela o trabalho do designer gráfico como jornalista, editor, maquetista, designer, infografista, programador e marketeer.

O ‘Dinheiro Vivo’ explica como nascem as infografias no suplemento de economia da Global Media, e mostra, passo a passo, o papel de designer gráfico no levar ao público a informação mais correcta possível, apoiada em fontes credíveis e apresentada ao leitor sobre a forma de representações gráficas.

O designer gráfico Telmo Fonseca, especializado em infografia e ilustração, formou-se no IADE e tem um percurso profissional que inclui o ‘Diário de Notícias’, Publicações e ‘Sol’. Já foi distinguido com trabalhos em infografia nas competições European Newspaper Award e SND-E Malofiej. Também o ‘Dinheiro Vivo’, com layout da Errea Comunicaciòn, foi eleito na categoria Supplements nos European Newspaper Award.


Ver ‘Dinheiro Vivo - O Processo de Uma Infografia’ e ‘Telmo Fonseca - Infografia, Ilustração e Design Gráfico’

06 maio 2015

É preciso fazer um desenho?


Festa da Ilustração. ‘É preciso fazer um desenho?’ é o título desafiante da Festa da Ilustração, que, ao longo de Junho, leva a vários equipamentos culturais de Setúbal trabalhos de artistas como Maria Keil, Lima de Freitas, André Carrilho e João Abel Manta.

O novo evento Festa da Ilustração, organizado pela Câmara Municipal de Setúbal e pelo atelier DDLX, de José Teófilo Duarte, apresenta, ao longo de diferentes períodos do mês, exposições, encontros com ilustradores e outros eventos associados, como pequenos concertos.

João Paulo Cotrim, curador do evento, realça que, em detrimento de um tema transversal à Festa da Ilustração, a organização optou por focar temáticas específicas. Para assinalar o início da Festa da Ilustração, a edição de 01 de Junho do ‘Diário de Notícias’ é totalmente ilustrada por artistas com presença no certame.



Ver ‘Município de Setúbal - Festa da Ilustração’ e ‘DDLX - Comunicação Design Edição’.

04 maio 2015

‘Número Zero’


Umberto Eco. Romance de reflexão sobre os jornais e o jornalismo, ‘Número Zero’ tem como cenário de fundo a redacção de um jornal diário, que se está a constituir de modo apressado e por razões que menos se relacionam com o objectivo de preparar boa informação e mais respeitam à criação de uma fachada para servir interesses próprios. Neste caso, não os interesses dos jornalistas, poucos, relativamente mal pagos e com histórias de carreira onde o sucesso não tem tido lugar, mas sim os interesses de quem tem poder, dinheiro ou ambos.

Um jornal que está a dar os primeiros passos muito tem para decidir. E ‘Número Zero’ torna-se numa espécie de manual de decisões onde a qualidade do produto final está mais arredada das preocupações do que seria desejável. Neste jornal, designado ‘Amanhã’, há espaço para criar, reciclar e encobrir notícias. Poder e jornalismo associam-se aqui a teorias da conspiração.

O escritor italiano Umberto Eco, de 83 anos, é um filósofo, medievalista e semiólogo, autor de narrativa com livros como ‘O Nome da Rosa’ (1983 Difel), ‘O Pêndulo de Foucault’ (1989 Difel) e ‘O Cemitério de Praga’ (2011 Gradiva) e colunista semanal da revista ‘L'Expresso’.


Ver ‘Gradiva - Número Zero’, ‘Umberto Eco’ e ‘L'Expresso - Opinioni Umberto Eco’.

02 maio 2015

The super ultra mega meta Infographic about Infographics


Why infographics are essential for content marketing. A infografia prolifera nos meios digitais, muitas vezes indiscriminadamente e com uso de elementos gráficos supérfluos. Ainda assim, a infografia é uma forma eficaz e versátil para expressar informações complexas e fornecer contexto e significado. No artigo ‘Why Infographics Are Essential for Content Marketing’, publicado no site da OneSpot, a copyright norte-americana Erika Boynton aponta as melhores práticas para a criação de infografias.

Na infografia ‘Infographic about Infographics’ é revelado o que constitui uma representação gráfica de dados e informação, o processo de criação, os tipos de infografias, as regras de construção e as ferramentas de criação e distribuição.

A agência de marketing de conteúdos OneSpot, fundada por Matt Cohen em Austin (Estados Unidos), tem como clientes as multinacionais Intel, Johnson & Johnson e Whole Foods.


Ver ‘OneSpot - Infographic about Infographics’ e ‘Erika Boynton - Make Sound Good’.

30 abril 2015

‘Parem as Máquinas!’


Glórias, peripécias e embustes do jornalismo português. Recuperando as proezas jornalísticas de Ferreira de Castro, Acúrcio Pereira, Reinaldo Ferreira, Urbano Tavares Rodrigues, Eduardo Gageiro ou Norberto Lopes, entre muitos outros, o livro ‘Parem as Máquinas!’ é uma obra singular, divertida e surpreendente, que dá a conhecer ao leitor as mais extraordinárias, insólitas e rocambolescas aventuras que fizeram o jornalismo, mas é também um tratado de amor aos jornais que fizeram a sociedade portuguesa.

A obra de 256 páginas da autoria do jornalista Gonçalo Pereira Rosa, num lançamento da Edições Parsifal, conta com prefácio do jornalista Baptista-Bastos e ilustrações de Luís Taklim e Miguel Alves. São 23 textos de histórias de jornalistas, desde o estertor da monarquia até aos primeiros anos do período democrático pós-revolução de 1974, publicados na revista ‘JJ - Jornalismo & Jornalistas’, crónicas agora reformuladas. 

Especializado na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural, Gonçalo Pereira Rosa é director da revista ‘National Geographic Portugal’ e assistente na Universidade Católica Portuguesa, tendo já publicado o livro ‘A Quercus nas Notícias’ (2006 Porto Editora). É ainda autor do blogue ‘Ecosfera’.

 

Ver ‘Edições Parsifal’ e ‘Ecosfera’.